Desvendando Mitos e Realidade em uma Big Station

Tive o privilégio de passar um final de semana em uma Big Station, quando veio o convite, também veio as perguntas, o que tem lá, como funciona uma estação dessas, quantos kW operam lá, enfim, inúmeras perguntas me fiz.

Bom, uma estação dessas inicialmente é feita de um ou mais ótimos operadores. Não adianta você ter uma excelente estrutura física localizada em um ponto privilegiado e não estar preparado para tal.

Conhecer a propagação, como ela oscila no decorrer do ano, os horários que as bandas de HF estão abertas é muito importante, bem como também conhecer os indicativos dos países.

Conhecer a instalação, o que você tem de antenas e para onde elas estão apontadas, não vá achando que o operador fica em um rotor virando antena de um lado para outro, tem antena sim com rotor, mas isso muito pouco se utiliza, não dá tempo para esse luxo.

A estação possui antenas fixas e você deve conhecer a instalação para saber qual selecionar tanto direção quanto altura do solo, que é feito por intermédio de chaves de antenas e  STACK, onde você tem a possibilidade além de selecionar a antena, também selecionar agrupamento de 2 ou 3 antenas ao mesmo tempo, ou ate mesmo antena 1 para recepção e 2 ou a 1 e 2 para transmissão.

O bicho papão do pessoal de casa é “O cara lá é obrigado a ganhar, esta lá com 10Kw em cima de um baita morro, um radio dos mais tecnológicos”.

Não, ele possui excelentes antenas instaladas algumas até a mais de 40 metros de altura do nível de solo, opera com potencia sim, a permitida pela ANATEL. No caso da data que estava visitando a estação estava utilizando picos de 1.2Kw.

Mas ainda não adianta tudo isso sem um operador com ouvido treinado, afinado. Defino que lá todo mundo chega, mas chegam todos ao mesmo tempo. Pense você fazendo seu chamado no concurso e quando solta o PTT vem um abelheiro de indicativos todos ao mesmo tempo, ninguém entregou senha ao pessoal vir por ordem de chamada, é isso mesmo, essa é a recepção de um lugar desses, então, ouvido é tudo.

Persistência e logística é outro ponto crucial. Não adianta ir para a estação querendo ganhar uma boa colocação e querer fazer festa. Uma estação dessas no ar entrando para competir o pessoal não vai pra festa, montam escalas de quem assume a que horas, qual banda vai operar.

Vai parecer loucura o comentário, mas na visita não operei a estação, só fui de peso morto mesmo, mas o operador iniciou as 21:00 horas de sexta-feira, parou para descansar 1:30 na madrugada de sábado para domingo pois não havia propagação boa, retornou após esta pequena pausa até as 21:00 horas de domingo.

Estávamos lá dando apoio logístico para ele não precisar sair da frente do radio.

O conforto também é importante para o operador, não tão confortável que ele vá dormir na frente do radio e não tão fuleiro a ponto de estar 2 horas na estação e estar todo quebrado.

O APRENDIZADO:

– Uma estação é feita de um bom operador e boas antenas, radio é consequência, potência de saída faz diferença, sim, mas não adianta ter 10 kW na antena se você não tem antena que escute o outro lado.

Uma cadeira confortável tem seu valor na estação, se não você começa a perder o foco por ficar ali horas sentado e todo dolorido.

Persistência é a diferença.

Meu maior aprendizado foi dar mais valor ao meu radio achando que indo numa estação dessas iria encontrar alguma tecnologia alienígena de áudio, algo entregando rolinho de senha pra todo mundo fazer uma fila indiana pra ser contestado. Aquilo lá e pura loucura que você ergue os braços de vitória quando anota um indicativo multiplicador.

Então valorize seu equipamento, ele faz milagres também. Ouço colegas reclamando que o radio não é bom porque não tem DSP, isso, aquilo. Não dá tempo de você utilizar essas tecnologias, a maior delas nesse momento é seu ouvido treinado.

Vai participar pra querer ganhar, monte uma logística para você sair o menos da frente do radio. Conforto ajuda muito para manter o corpo o mais relaxado possível não ao ponto de fazer você dormir.

Fone de ouvido que não te deixe irritado usando-o. Deixe de ser Maria vai com as outras comprando marca, compre um fone que seja leve, com qualidade de áudio que agrade seu ouvido, que tenha um áudio claro para seu ouvido. Escrevo isso porque já fiz alguns testes aqui adequando fones para colegas com marcas consagradas no meio amadorístico  e que não faço questão alguma de ter eles aqui, horrível o áudio para meu ouvido, uso um headset desses vendidos para vídeo game nacional Made in China, mas ele me agrada o áudio que reproduz.

Espero ter transmitido esta passagem pela estação, tirado duvidas, desmistificando um pouco uma estação dessas. Se tiver oportunidade de ir numa estação dessas, vá, aproveite e viva aquele momento, tente entender como ela funciona, visualize o parque de antenas para saber como estão operando, pois atrás de tudo que escrevi ainda há mais itens que compõe uma estação dessas, descubra, estude. Nosso passatempo é bem cientifico e técnico para quem quer conhecer, mas pode ser um passatempo só de rodadinhas pelas bandas do HF.

73 a todos de PU5KGB – Richard

Deixe uma resposta